Publicado em

Qual a melhor estratégia de entrada no mercado americano: abertura de um novo negócio ou compra de um negócio existente?

Estratégia de entrada no mercado americano

Por Fernando Mello – Co-founder e Managing Partner da IMG Capital

Ao longo dos anos como consultor de negócios e investimentos nos Estados Unidos sempre me deparei com clientes interessados em saber como criar uma nova empresa e iniciar um novo negócio no país, seja para expansão/internacionalização de sua atividade no Brasil, ou simplesmente uma nova iniciativa empresarial, muitas vezes ligada a planos pessoais de imigração.   

Raramente estas consultas são feitas sobre a melhor estratégia de entrada no mercado americano: se através da criação/abertura de um novo negócio, ou da compra de um negócio existente. Isso porque no Brasil a segunda alternativa implica em uma série de restrições e riscos, o que não ocorre nos Estados Unidos.

Este artigo curto se propõe a trazer algumas informações sobre a grande dinâmica e maturidade do mercado americano de compra e venda de empresas, em especial de portes pequeno e médio, incentivar uma reflexão sobre este tema. Embora não haja uma resposta única, é possível determinar alguns dos fatores críticos a serem considerados nesta decisão.

Cada perfil e situação particular de investidor, empreendedor ou empresário devem ser analisados com cuidado desde o início do planejamento, a fim de se evitar os recorrentes equívocos cometidos nos processos de internacionalização e entrada em novos mercados, em especial, quando se trata dos Estados  Unidos, país ao qual se associa uma visão distorcida de uma economia paradisíaca com sucesso garantido.

Para trazer uma visão mais realista deste mercado, é importante pontuar que até 2019 a economia americana registrava uma quantidade inacreditável de 6,5 milhões de novos negócios lançados todos os anos, sendo que em média apenas 50% deles sobrevivem após 3 anos, e não mais de 10% conseguem se manter vivos após 5 anos. Dentre as pequenas e médias empresas os percentuais de mortalidade nos primeiros anos são ainda mais altos.

As razões apontadas para isso são várias, mas em especial credita-se a:

– altíssima competitividade do mercado americano em praticamente todos os segmentos existentes e ainda a serem criados;
– falta de planejamento e capacidade financeira;
– deficiência gerencial e; principalmente,
– inexperiência.

Este último aspecto se manifesta e compromete o sucesso de novos negócios de várias formas: modelo de negócio inadequado, produto/serviço sem demanda, custos altos, processos ineficientes etc. Isso porque a maior parte dos empreendedores e investidores destes novos negócios simplesmente não domina aquilo que se propõe a fazer. E isso é um aspecto importante a ser considerado: não basta ter um bom sonho, é preciso saber colocá-lo em prática.

Nestes casos, uma boa alternativa para se contornar este desafio é investir em negócios que já se provaram. Um bom indicador é a prova do tempo, ou seja, empresas e negócios que já passaram por este processo de depuração e “seleção natural” tendem a se mostrar investimentos mais seguros, tendo adquirido experiência e “bagagem” muito valiosos para quem pretende participar do mercado americano.

Mesmo no caso de novos produtos ou serviços, a “compra” de participação no mercado por meio de uma empresa/negócio existente pode proporcionar grandes vantagens competitivas, e acelerar o “time-to-market”, que de outra forma poderia ser mais dispendioso, lento e arriscado. Neste caso, a melhor estratégia pode ser o caminho de menor resistência, e a melhor forma de capitalizar os erros cometidos pelos outros.

De acordo com o BizBuySell, o maior site de intermediação de compra e venda de pequenos e médios negócios nos EUA, apenas no ano de 2018 mais de 10 mil transações de compra e venda de empresas foram concluídas, com um valor médio de US$250.000 e uma expectativa de retorno do investimento em pouco mais de dois anos.

Ao contrário do que acontece no Brasil, nos Estados Unidos é possível evitar praticamente todo o risco de contingências fiscais, trabalhistas e de outras naturezas neste tipo de operação, o que as torna uma opção absolutamente possível e amplamente praticada.

Isso não quer dizer que esta seja uma receita única para todos os projetos empresariais ou pessoais de investimento e empreendimento nos Estados Unidos, mas sem dúvida deveria ser uma das principais alternativas a serem consideradas desde o início, já que é assim que boa parte dos próprios americanos pensam.

Análise e estudo da concorrência

Estes são apenas alguns dos aspectos e informações a serem considerados quando se planeja investir e/ou empreender nos Estados Unidos, seja para internacionalização ou imigração. É preciso refletir que a mesma dinâmica e pujança econômica que atrai investidores e empreendedores de todo o mundo para o país também afeta o mercado de compra e venda de empresas americanas, em especial de pequeno e médio portes.

E para os que priorizam uma visão de longo prazo para seu negócio, experiência e sobrevivência de uma empresa devem ser ponderadas como moedas de grande valor. Em qualquer caso, é fundamental que se pesquise antecipadamente o mercado em que se pretende operar.

Uma das melhores formas de se fazer isso é a partir do estudo da concorrência. Esta abordagem leva naturalmente à reflexão sobre as vantagens e desvantagens de se abrir um novo negócio ou comprar um já existente, se disponível, o que, em se tratando de Estados Unidos, é uma alternativa frequentemente válida e viável.

Existem diversas formas de se obter a informação sobre empresas e negócios à venda em todo o país, em praticamente todos os setores e de todos os portes e, inclusive, sobre transações já concluídas, o que permite tomar decisões bem informadas sobre a melhor estratégia de entrada no mercado.

A IMG Capital tem o expertise, a experiência e os profissionais qualificados nos Estados Unidos para ajudar seus clientes a conhecer e analisar as melhores alternativas disponíveis, e tomar decisões inteligentes para o sucesso de seus negócios.